logotipo Melhor do Vôlei
Especiais

Autor Júnior Barbosa Data 30/01/2021 10:27

São Paulo/Barueri em uma "atuação impecável"


Foto: Igor Amorim


Na véspera do grande clássico entre São Paulo F.C./Barueri e SESC RJ/Flamengo, pela Superliga feminina de vôlei, Nyeme, do Tricolor, apostava que sua equipe tinha tudo para jogar “de igual para igual” com a forte equipe carioca. Na verdade, a líbero estava errada. O São Paulo jogou muito melhor e passou o rolo compressor na quadra do ginásio José Correa, em Barueri: 3 a 0, com parciais de 25-13, 25-21 e 25-16, numa estreia pé-quente da logomarca do novo parceiro do clube, a Prevent Senior.

Karina foi escolhida a melhor do jogo: anotando um total de 19 pontos, somando contra-ataque, bloqueio e saque, a ponteira do Tricolor teve atuação praticamente perfeita, e recebeu 72,7% dos votos para o Troféu Viva Vôlei, um dos maiores índices já alcançados nesse tipo de enquete feita pelo canal SporTV.

Gradualmente, a jovem equipe do São Paulo foi reduzindo a quantidade de erros, um fator que frustrou suas ambições de vitória no primeiro turno da Superliga e, principalmente, no Campeonato Paulista. Essa evolução já havia ficado clara na grande vitória na antepenúltima rodada, sobre o Osasco São Cristóvão Saúde, por 3 a 1. Depois de duas derrotas normais, para Dentil Praia Clube e Itambé/Minas, sem conseguir repetir aquele nível de atuação, o time de José Roberto Guimarães mostrou grande atuação desde o início do primeiro set, nesta sexta-feira.

Com uma tática de saque inteligente e muito bem executada, o São Paulo dificultou muito o trabalho de recepção do Flamengo. Em consequência, a tarefa das levantadoras do time carioca se complicou, o que maximizou a performance do bloqueio do time da casa, que anotou 13 pontos ao longo da partida.

Atordoado, o Flamengo praticamente não viu a cor da bola no primeiro set, que perdeu por 25 a 13.

No segundo set, o Flamengo conseguiu equilibrar o marcador, trocando pontos contra o time da casa. Na fase de definição da parcial, no entanto, as atacantes do Tricolor mantiveram um altíssimo nível de acerto, e acabaram levando a melhor: 25 a 21.

No terceiro set, a equipe visitante já parecia não acreditar nas possibilidades de reação. A oposto Lorenne era uma das poucas que mantinham um nível de atuação alto em sua equipe. As diversas mexidas na escalação do time não surtiram efeito. Do outro lado, com a confiança em alta, as Chiquititas (ou Meninas Superpoderosas) faziam tudo dar certo. Karina estava inspiradíssima, mas Maira também teve bela atuação, assim como Lorena e Diana. Tanto a levantadora Jacke como Kenya, que entrava nas inversões de 5-1, deram muita velocidade às jogadas, beneficiadas pelo trabalho impecável da linha de passe, formada por Nyeme, Karina e Maria. No final, a fácil vitória no terceiro set, por 25 a 16, coroou uma atuação de sonho.

“Nosso time jogou muito bem taticamente, e felizmente conseguimos bater o Flamengo, um time muito difícil de ser derrotado”, analisou Karina. “É muito treino. No semestre passado, estávamos errando muito. Graças aos treinos, a gente tem melhorado bastante”, acrescentou a ponteira.

Confira outras notícias

Apoio

Parceiro